A Flip e o artigo da cachaça

Tiago_Silva_VB_30_junho_15

(Crônica publicada no site Vida Breve)

Eis que me preparo para mais uma Festa Literária de Paraty. Com essa, serão 13 de 13 edições. Embora boa parte delas tenha sido a trabalho – e ano passado o trampo foi tão pesado que tombei com estafa –, não posso deixar de reconhecer que é um prazer estar naquela cidadezinha nesses cinco dias de suspensão da descrença.

No geral, o evento em si não me surpreende mais há algumas edições. Parte disso talvez seja pela sensação de que alguns dos meus autores preferidos já (se) foram, como o Millôr Fernandes, Moacyr Scliar e outros mais jovens, ou porque o foco parece ter mudado um pouco da literatura para áreas correlatas, e o filé da coisa começou a virar acompanhamento. Tive sensação parecida na universidade, incluindo mestrado e doutorado, vendo os “estudos culturais” ampliarem tanto as perspectivas que às vezes até se falava de literatura. Mas isso é assunto para outra crônica. (Mentira. O estudos culturais, data venia, dificilmente seriam assunto para uma crônica.) Por último, acho que a Flip principal não me causa mais entusiasmo porque estou nela a trabalho.

Isso me faz lembrar da adolescência, quando trabalhei no McDonald’s: depois de certo tempo lá dentro, não se sente mais aquele cheiro misto da gordura e dos condimentos. O aroma típico que provoca o apetite se transforma em algo normal, estandardizado, e o próprio gosto dos sandubas não desperta tanto as papilas gustativas. Creio que, com a repetição, os nossos sentidos anulem o sentido de novidade.

Algum amigo gaiato me diria: sei como é, você acabou de dar a definição de casamento. Poxa, amigo!

Pelo sim, pelo não, eis que lá se foi mais uma digressão. Mas vamos lá: se por um lado a Flip entrou no calendário de atividades do trabalho, outro aspecto do evento se mantém inalterado. Encontrar e reencontrar amigos por aquelas ruas de pedra é algo que espero o ano inteiro. Apesar do trabalho pesado, sempre sobra um tempo para papear num café ou numa pinga. Creio que esse tempo que aparece é aquele que costumamos perder nos engarrafamentos. Na Flip só se anda a pé, por isso ela é, para a turma que trabalha ou curte literatura, uma pausa na vida conturbada das duas metrópoles que ladeiam Paraty. Nesses dias, a única chance de ser rebocado é caso se beba demais, conduzido até a pousada por amigos um pouco menos tortos e muito compreensivos.

Já escrevi a respeito da amizade flipesca aqui no Vida Breve (http://www.vidabreve.com/a-festa-literaria-do-delfim/#.VY8toXpVhBc), numa crônica sobre o escritor e designer Delfin, camarada que só encontro lá, uma vez por ano, há mais de uma década.

Para esta edição, um grupo de amigos escribas decidiu fazer uma camiseta com a frase A LITERATURA É A MINHA CACHAÇA. Algo tão ridículo quanto legal, por isso entrei na onda. Ok, na verdade eu dei a ideia, um pouco movido pela recusa que a proposta teve no trabalho quando a apresentei como lema para a equipe usar estampada nas camisetas durante a Flip. Acreditaram que associar a instituição a uma bebida alcoólica poderia ferir os bons costumes… Bem, hoje em dia está difícil julgar a flexibilidade alheia diante de metáforas, ainda mais quando é nosso feijão com arroz que está em jogo. De todo modo, como não uso mais uniforme (no McDonald´s tinha, com listras vermelhas e brancas, que chamávamos de zebrão), poderei usar a camisa como pessoa física sem problema.

Mas eis que todo texto pode ser mexido e melhorado. Fred Girauta, poeta de boa cepa e meu parceiro de pingue-pongue, acreditou que os artigos estavam sobrando. “Parecem muletas!”, vociferou, defendendo que LITERATURA É MINHA CACHAÇA soaria mais direto. Tenho alguma implicância com advérbios, mas nada tenho contra artigos, ainda mais os definidos, que fecham o seu substantivo na ideia que se pretende dar a eles. Como tenho andado mais prosador que poeta, reforcei a ideia de que estamos dizendo uma frase, não falando de literatura, no geral, mas daliteratura, no particular, na intimidade que temos com ela. Fred então propôs LITERATURA É CACHAÇA, assim mesmo, pá-pum. Sim, sobraria apenas a metáfora, mas sem subjetividade que o pronome possessivo concedia. Por isso não gostei tanto, voltando ao início. O amigo poeta entrou em modo odara, procurando joia rara, e radicalizou dizendo que todas as letras A estavam sobrando: LITERTUR É MINH CCHÇ, seria para ele uma versão mais contemporânea e instigante ao leitor. Tá legal, camarada.

Nisso os demais escritores entraram na discussão. Rafael Gallo, sensível prosador, apresentou um poema visual em que cachaça e a literatura trocavam de lugar o tempo todo. O Marcos Peres, borgeano espelhadoso, alegou que tanto faz, a cachaça que nos esperava seria a mesma. Pelo adiantado da hora, precisávamos de consenso e decidiu-se utilizar apenas um artigo da frase original. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra – ou nem chus nem bus, adágio que quase ninguém conhece.

E chegamos a LITERATURA É A MINHA CACHAÇA. Essa frase me satisfaz, rende um gole e umas gargalhadas sem moderação entre os amigos. Talvez o melhor da Flip – e vá lá, da vida mesmo – seja isso: encontrar os mais chegados, discutir banalidades e no fim rir disso tudo.

Comente

Assunto crônica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *